GRÃO DE MALÍCIA

A minha foto
Miramar, Norte, Portugal
GRÃO DE MALÍCIA … poemas escritos de desejos e divagações... onde está a poetisa... que vai escrever os poemas memórias de sentidos tidos… onde está a poetisa...que escreve poemas, nua ao pé da cama, que os interrompe para beber inspiração? … sou apenas quem está mesmo por detrás de ti... com a boca colada ao teu ouvido, segredando-te pequenas coisas que tu sentes...de olhos fechados. ana barbara sanantonio

sábado, 19 de maio de 2018

DECLARO-TE

DECLARO-TE

Declaro-te um amor infinito
Em renovada primavera de sentir
A cada estação o mesmo existir
O tempo na laje de granito

Em juras de dócil eternidade
Resgatada de memórias de amor
Na mais profunda saudade
Em súplicas de delírio e clamor

Declaro-te a serenidade desmedida
A testemunhar o afecto e a ternura
No abraço em enlace desta vida

Para todavia a melancólica paixão
Ser quimera sombra luz ou loucura
Em declarada e justa comoção
musa

2 comentários:

Jaime Portela disse...

Excelente soneto, parabéns.
Boa semana.
Beijo.

PS: já não vinha aqui há imenso tempo, mas gostei de voltar.

Rafael Santana disse...

iNTENSIDADE E PASION.

sALUDOS!!