GRÃO DE MALÍCIA

A minha foto
Miramar, Norte, Portugal
GRÃO DE MALÍCIA … poemas escritos de desejos e divagações... onde está a poetisa... que vai escrever os poemas memórias de sentidos tidos… onde está a poetisa...que escreve poemas, nua ao pé da cama, que os interrompe para beber inspiração? … sou apenas quem está mesmo por detrás de ti... com a boca colada ao teu ouvido, segredando-te pequenas coisas que tu sentes...de olhos fechados. ana barbara sanantonio

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

ESCARLATE

ESCARLATE

Tanto vermelho
Para cobrir-se de ânsias
Em pousio no olhar
De rubro entardecer
No mar tímido espelho
Em profundo naufragar
Maresia a espalhar fragrâncias
Boca a morrer o prazer
Das pedras onde a água bate
As ondas a bailar a espuma
No horizonte tingido de escarlate
As vagas uma a uma
Tanto o cio como o querer
No corpo todo humedecido
Nos lábios doce gemido
Do matiz encarnado
Quase a derreter 
Tanto beijo pedido
Tanto gozo sentido
Com sabor a pecado
E tanto fogo a arder
Em incendiada mão
Tanta loucura excitação
Demorada chama ardente
A pele avermelhada
Suada e quente
Pelos caminhos do amor
Carente envergonhada
Em tímido rubor
Apaixonada
musa

domingo, 19 de fevereiro de 2017

FAZER AMOR CONTIGO

FAZER AMOR CONTIGO

Penso em ti
Desejo-te
Quero-te

Sussurras o silêncio quieto
Lassitude ausente
Murmúrio discreto
Proposta indecente
Enlaças o peito em apertado abraço
E na boca húmido beijo  
Derrete como aço
Em fogo de paixão
Incendeia excitação
Arde a sedução
As mãos a estremecer
A loucura da mão
Em dança de prazer
Revolve o olhar
O pensar e o sentir
Invoca a penetrar
Dissolve-se no quase vir
Em vaivém de corpos ardentes
Húmidos e quentes
Num orgasmo a convergir
Como estrelas cadentes
Prestes a explodir
Em louca gozação
Doce rendição
Nos lábios beijos e gemidos
Gozo dos sentidos
Louco torpor
Pura fruição
Amor
...
musa

domingo, 12 de fevereiro de 2017

A SESTA

A SESTA

Para ti meu amor
Quando depois do amor adormecemos
No leito do amor em que nos demos
E ficamos um instante abraçados
E todo corpo desfalece
Sem de facto sabermos
Que assim cansados
O amor acontece

Fazendo do meu peito teu leito
Ou do teu peito meu leito
Os dois enternecidos
Embalamos sentidos
O sono eleito
Dos vencidos

São só uns minutos a vibrar
A pele do sentir ainda a ofegar
Nos teus olhos ainda humedecidos
O amor a cintilar
Tanto prazer

E sabes meu amor meu bem querer
Que assim adormecendo no teu abraço
Envolve a alma em profunda intimidade
E nessa sesta de sensivel cansaço
Embalamos serenidade
Sossegamos saudade

Vamos para além do espiritual
Em união e sintonia
A nossa cumplicidade
Tão intensa e tão carnal
É prece pulsão poesia
O sono reparador
Oração de amor
Felicidade
musa 

sábado, 11 de fevereiro de 2017

MUSA


LOGO ALI

LOGO ALI

Olhaste nos meus olhos
E perguntaste
Até quando
Vais envelhecer
Em mim
Olhaste sem ver
Corpos flutuando
Num encaixe perfeito
Deitado no meu peito
Dois rios parados
Dois seios nevados
Dois lábios carmim
Margens de beijos a correr
No vale logo ali
Águas profundas leito eterno
E os dias que perdi
Tempos inventados
Verbos em que te afundas de prazer
Versos inspirados
A demorar inverno
E um sentir a mais por escrever
No cais da alma fugidia
Perguntaste pelas memórias do caderno
Mas só encontraste poesia
...
musa

CHÃO DE FOGO

CHÃO DE FOGO

Entre
as minhas
pernas
Húmido vale
Gozo abrigo
Fonte loucura
Luxuria sentir
Chão de fogo vontade
Escarpa onde trepar
Leito onde invernas
Prado rubro carnal
Em incendiado olhar
De intima cumplicidade
Onde sacias teu querer
Em seio tortura castigo
Ternura endoidecer
Onde me invento contigo
Tremulo vir
Fazendo estremecer
As mãos doces e ternas
Desbravando intimidade
No capim fogo saudade
Do vento a gemer
...
musa

TENHO TE AMOR INFINITO

TENHO TE AMOR INFINITO

O meu amor por ti
Começa lá no fundo do teu olhar
Os teus olhos escuros e macios
Silvestres flores que colhi
No corpo inteiro que deixaste amar
De odores e um amor infinito carnal
Nas margens húmidas como rios
De águas de paixão a transbordar
Leito profundo transcendental
Pelas minhas mãos cheias de desejo
E na boca a nascente
E na flor o querer
Onde num único beijo
A foz onde vou morrer
Doce e quente
Mata de prazer
musa 

ESCREVE ME

ESCREVE-ME

Sou te fonte fêmea folha nua de papel
Virgem seda do fulgor da paixão
De escrever no corpo delicada pulsão
Em húmido e doce sentir cálido mel

A escorrer de versos em mãos ternura
Do mais profundo prazer que se possa dar
Em mestria amante da mesma loucura
Que humedece a intimidade do altivo olhar

E o corpo assim todo escrito sentido
O mais belo livro prece do amor
Completamente nu aos teus olhos despido

De palavras tatuado poro a poro de desejo
Escreve-me a vida em gozo de sabor
A cada letra em reticências de um beijo
...
musa

SEGREDO

SEGREDO

Encerro o meu corpo
Nas tuas mãos
Depois de cada encontro de amor

No cofre do teu olhar
O sensível torpor
Guardo o prazer da jóia entregue
Escondido segredo silêncio soluçar
Do sentir que nunca se negue
Diadema de lágrimas de saudade

A chave fica na tua boca
Em combinação numérica de intimidade
Insaciável e louca
Doce excitação
Magnânimo desejo
À espera que a tua mão
Possa novamente abrir
Cofre do sentir
Pelo teu beijo
De paixão
...
musa

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

SAUDADES DAS TUAS MÃOS DE AGORA

Ainda hoje
Surgem as tuas mãos de agora
Vindas de pequenos nadas
Nas costas quentes suadas
Em urgência e em demora 
Poisam silêncios e saudade
E gritam a sensualidade
De despertada sedução
E nessas alvoradas
De loucura e prazer
Fazem a pele estremecer
Doçura excitação
O corpo desfalecer
Saudoso e quente
Morrendo de vontade
Como quem consente
Essas mãos ter
Em louca intimidade
Deixar-se beber
Impulsividade
Pelos teus dedos
Cumplicidade
Em carícias trementes
Acordando segredos
Húmidos quentes
Doces apertos
Desejos despertos

Corpos arrefecidos 
Nas mãos escaldantes
Beijos lambidos
De gozo atrevidos
Fazemos-nos amantes
De fogo sentidos
Nas tuas mãos labaredas
Deixas nas minhas costas fogueiras acesas
Provocas chamas gemidos
Ficamos os dois perdidos
Tão somente rendidos
...
musa

sábado, 28 de janeiro de 2017

VALE DELÍRIOS

VALE DELÍRIOS

Descobri
Um vale de lírios
Nos sulcos húmidos
Do teu corpo
A fragrância de delírios
Em botões de azul a abrir
Lírios azuis orvalhados a florir
De amanhecidos beijos
Corpos abraçados a desejos
Em manhã de sentir
E no vale de lençóis o teu olhar escondido
Era a luz que amanhecia
Tímida e vã acontecia
Para iluminar o sentido
Os lírios do vale em poesia
E na pele um trilho perdido
A boca seguia
...
musa


sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

DESPE-ME

Tira-me o vestido
Despe-o
No chão da tua boca
E verás o que vais descobrir
Em rendado sentir
Molha de saliva o negro tecido
Como quem rasga de segredo o ventre
De força ávida e louca
Húmido e quente
Em floreado cetim
E abre botões de prazer
Um jardim florido
De loucura desejo
Em pétalas de querer
Num frenesim oferecido
Por tão intimo beijo
A florir de endoidecer
...
musa

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

GRÃO DE MALICIA

GRÃO DE MALÍCIA

Na tarde de todos os encontros
Quando desespero se faz espera
E se fantasiam todos os confrontos
E se faz do frio primavera
Os corpos aquecidos de loucura e cio
Entre doces gemidos e um beijo fugidio
E a boca em rendição
À ternura do tormento
No rastro da excitação
No fruir do sentimento
Malícia em aventuras doidas carnais
As tuas mãos nas minhas cravadas
Em movimentos sensuais
Fortemente agarradas
Como areia a escorrer
Em intima vontade
Fazendo estremecer
No gozo da saudade
No palco da paixão
Exultas um grão de malícia ardente
Na pele húmida e quente
Nas linhas da tua mão
Uma sina de endoidecer
Há linhas longas de prazer
E a vida a acontecer
...

musa

terça-feira, 10 de janeiro de 2017

AOS TEUS BRAÇOS

PRECE

No teu peito vivo
Pulsante a seiva a escorrer
Na boca um grito mordido
Na carne um rio de prazer
Na pele o ritmo a arder
Palavra a palavra mais e mais
Em loucura e querer
A vibração de punhais
Rasgando de amor
Em golpes de excitação
E húmido torpor
E liquida gozação
Na mais intima sensibilidade
A prece da saudade
Aos corpos nus de vontade
Porque se existe no teu peito um altar
É a ele que eu vou amar e orar
...
musa

SEDE DE LOUCURA

O céu num arrebatamento
O corpo entorpecido
O doce gozo sentido
Em intimo momento
O tempo que parece parar
A luz húmida do olhar
O gemido de um silêncio
Em ondas de vibração
Da seiva que fica a cantar
Em melodia excitação
No calor dos corpos colados
De fluidos perfumados
De intimidade e sedução
Em rios de prazer
Que são na boca endoidecer
E na pele inebriante tortura
A louca fonte onde beber
E matar a sede loucura
...
musa

ABRAÇO DE NÃO TE TER

Tem o tempo nos braços
A meiguice de te esquecer
Dos silêncios e dos cansaços
Dos beijos dos abraços nas tardes de prazer
Das mãos no corpo a estremecer
Na fonte o húmido nascer
Na pele o bem querer
Em rituais de excitação
Em preces a um deus maior
Em gemidos oração
Em gozo sentido do amor
Em carnal altar
A doce sublimação
Em tímido vibrar
Em intima comunhão
Jamais esquecida
Pode o tempo perder a vida
Entregue ao esquecimento
E no mais choroso lamento
Em mergulho de lembranças
Resgatam as tuas mãos mansas
Resquícios de cúmplices momentos
Fogo que não se apaga de tanto arder
Em queixumes sentimentos
Do amor que ficou por fazer
Do tempo num abraço de não te ter
...

musa

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

DESILUSÃO

DESILUSÃO

Salvei o teu cheiro
Guardei o teu corpo
Fundeei no teu olhar
Arrastei o silêncio inteiro
Pesado espesso instinto
Na impaciência do que sinto
Na pele húmida de mar
A intimidade tecida
Entrelaçada entre os teus dedos
Em ponto luz humedecida
Nos lábios emudecidos de segredos
Malhas da vida
Desilusão
Onde a todas as horas vou naufragar
Em solidão
Quando me entrego ao teu aroma
Ainda impregnado
Nas roupas que despi
De um grito inventado
Onde deixei
Tudo o que perdi
...
musa