GRÃO DE MALÍCIA

A minha foto
Miramar, Norte, Portugal
GRÃO DE MALÍCIA … poemas escritos de desejos e divagações... onde está a poetisa... que vai escrever os poemas memórias de sentidos tidos… onde está a poetisa...que escreve poemas, nua ao pé da cama, que os interrompe para beber inspiração? … sou apenas quem está mesmo por detrás de ti... com a boca colada ao teu ouvido, segredando-te pequenas coisas que tu sentes...de olhos fechados. ana barbara sanantonio

quinta-feira, 19 de abril de 2018

"DOIS AMANTES, O MUNDO - dueto com...

Dueto com...

"Dois Amantes, o Mundo

dois amantes, o mundo
cada um no seu reino, beijam-se nas praias
quando as ondas batem as areias

o mar é o meu navio,
hoje naufrago feliz

sabes quem sou, as dunas
que se levantam com o vento são
os sonhos do amor que dormita
em sossego nas praias

a terra és tu o mar sou eu "

Jorge Reis-Sá, in "A Palavra no Cimo das Águas"  

Dois amantes
Duas terras por cumprir
Marés seifadas pelo vento
Dois cais distantes
Um único sentir
Duas espadas um corte lento
Um castelo sem ameias
Um sentimento sem existir
Águas de revolvidas areias
Lamento de sereias
Prece ou canto
Riso a ferir
Reino de beijos e o mundo
Naufrágio pranto profundo
De meigos e húmidos abraços
E bocas vagas em desejo
Marés vivas de vontade
Em vendavais intimidade
Na imensidão de um beijo
Um mar de punhais de prazer
E a excitação do amor
O sal doce do sabor
De tanto querer
...
musa

REENCARNAÇÃO

REENCARNAÇÃO

Quantas vidas
Serão precisas
E as nossas vidas serão uma só
Quanto desta espera
A água a enrolar as pedras lisas
O sal e o pó
Este meigo confronto
O íntimo encontro
E aqui andamos
Na procura da quimera
Do beijo ao desejo e ao prazer
De abraços desgastamos
Medo e saudade
Morrer para viver
A súbita urgência de eternidade
Rios vagas de loucura
Quando no teu corpo entorpecido
Gozo oferecido ternura
Sou turbulência de águas tão carnais
E a alma entoa o gemido
Ânsia de ressuscitar
Há um mapa de sentidos no teu olhar
Pontos cardeais
Desorientado perdido
A onda a naufragar
Em profundidade
Euforia
Outras vidas serei sim
Esta certeza enfim
Calmaria
Serenidade
...
musa

NÃO MAIS DO QUE UM ABRAÇO

NÃO MAIS DO QUE UM ABRAÇO

Não sei quando
A última vaga tempestivamente
Um farol abraçado de espuma
O mar silêncio derramando
Serenamente
Sobre o paredão e a duna
E nada mais fica igual
E de todos os abraços um em especial
Como uma onda a sentir
Algo a pressentir
Entre lágrimas e cansaços
Profundo divinal
Desarmados os laços
Em silêncio dividido
O que guardo em sentido
Talvez não mais do que um abraço
Murmúrios de todas as melodias
A mais doce das melancolias
Esse silêncio de vidro e de aço
...
musa

MEMÓRIAS MELANCOLIAS

MEMÓRIAS MELANCOLIAS

Ninguém imagina
Quão dourados eram
Os teus olhos vivos

Da luz que rompia
Adentro a vagina
Na alvorada doida
Tarde de sentidos

Súbito amanhecer
De suspiros e gemidos
De um azul ao entardecer

Um raio penial
No gozo horizonte
Íntimo carnal
Do vale ao monte

Desflorada amendoeira
A pele das pétalas em flor
E profunda toda inteira
Em orvalho de amor

Rendida ao orgasmo
Em explosão o espasmo
Dos olhos crepusculares
Oblíquos singulares

Na meiga excitação
Como a chuva amaciando
Até ejaculares
O corpo ondeando
Miragem sedução

Seara verde na lonjura
Toda a serra na tua boca
Dos beijos a maior loucura
Ao penetrar a morna toca

Nascente enrubescida
Rósea meiga a fonte
Tão apetecida
De mão à mão a ponte
Das bocas ao sexo
Repartida

Uma a uma a tarde
Tantos os dias
Por toda a vida
Ainda é chama que arde
Pétala adormecida
As horas de espera sombrias
Silêncio que invade
Memórias melancolias
Ao olhar rendida
...
musa

segunda-feira, 5 de março de 2018

INTIMAÇÃO

Intimação

Anda brincar com os verbos na minha boca
Inventar metáforas na minha pele
Sussurrar sinónimos ao meu ouvido
Deixar a menina dos meus olhos desvairada e louca

Num carrossel de caricias em fogo sentido
Num gemido rouco de afago e mel
E fazer das palavras mãos em flor
No jardim do nosso amor
...
musa

AUSÊNCIA

Poema da tua AUSÊNCIA

Pálida a pele a cal
De tanta tontura
E brando sentir
Silêncio frio

Era quase um ritual
Sem pensar a repetir
Um assomo de loucura
Ao olhar sombrio
Tentação ternura

Amargurado
No aroma do café
E um Paris-Brest

Na boca urgente o desejo
Íntimo provocado
O verso por fazer
O corpo o gozo o beijo
A trilogia do prazer
E nunca mais vieste

Das mãos ausentes
Dos olhos humedecidos
Das palavras e dos sentidos
Dos rios e dos mares
Dos gestos sem falares
Do que ainda sentes

A ausência intimidade
Memória ferida
Poesia de saudade
Canto cumplicidade
Da nossa vida

Haverá um lugar
Sempre ausente
Uma lágrima no olhar
Ainda quente
...
musa

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

MÁSCARA

MÁSCARA

Por detrás do teu olhar
Um véu de desejo
Louca vontade

Mascarada intimidade
Em tímido beijo
A boca onde calar
Um gemido

O corpo despido
Quente a ofegar
Louco sentido
Tentação
Decibéis

E a máscara de tantos papéis
A dança de sentir e representar
Brincos pérolas e anéis
Húmida a cintilar
A pele luz

Olhos de um azul que seduz
Sentir infinito deslumbramento
Brilho voragem sedução
Doce contentamento
O fogo conduz
Viagem no tempo
Excitação
Lamento
...
musa

DESEJO IMPURO


"Quero Sentir esse Beijo...
Desejo impuro,
Maculado pelo arrependimento,
De impulsos reprimidos,
Por tantos Invernos mascarado...
E seria tão simples...
Convocar a Primavera,
No sabor dos teus lábios,
Seiva escorrendo,
Numa explosão,
De Vida...
Vem,
Dá-me esse Beijo... Para Sempre...

Ant."

Doce impunidade
A atravessar o tempo
Tantas primaveras
Tantos invernos
No outono das nossas vidas
E o fogo do verão
Uma hora qualquer
Toda eu mulher
Silêncio e solidão
E todas as palavras perdidas
Todos os sentidos eternos
Todas as quimeras
Na travessia do lamento
A doce saudade
A ferir

Desejo impuro de sentir
Mascarado sentimento
Inseguro arrependimento
De impulsos a reprimir
Talvez na tua boca
Haja sim
A Primavera
O riso frenesim
De um verso por escrever
A loucura do prazer
O beijo por fim
O desejo de mim
Algo a viver
...
musa