GRÃO DE MALÍCIA

A minha foto
Miramar, Norte, Portugal
GRÃO DE MALÍCIA … poemas escritos de desejos e divagações... onde está a poetisa... que vai escrever os poemas memórias de sentidos tidos… onde está a poetisa...que escreve poemas, nua ao pé da cama, que os interrompe para beber inspiração? … sou apenas quem está mesmo por detrás de ti... com a boca colada ao teu ouvido, segredando-te pequenas coisas que tu sentes...de olhos fechados. ana barbara sanantonio

segunda-feira, 28 de julho de 2014

DELIRIOS

Goza ainda em pensamento
Gozo esplendor a escorrer
Como um rio deslumbramento
As margens encharcadas de prazer
O leito interminável gozação
O delírio da masturbação
Todo corpo e mente arder
Trémula exsudação
Meiguice e ternura

Intermináveis noites de tortura
Um fogo aceso entre as pernas
No sangue fervente loucura
Dessas recordações eternas
Que na pele perdura
Louco desassossego

Há no sentir ainda o medo
O encantamento da convulsão
A vibrante excitação
O corpo todo a tremer
Na recordação do prazer
Das tuas mãos e boca
Deixando-me tão louca
De sentidos

Perdida de tremores e gemidos
Convulsiva na tua língua quente
Rendida aos teus carinhos atrevidos
Delírios docemente
Consentidos

Só eu sei desse encantamento
Desse teu feitiço e poder
Entre as minhas pernas o arrebatamento
Que com mãos e boca fazes acontecer
Deixando-me loucamente a estremecer
Delírio e sedução
O poderio da tua mão
Martírio prazer
Rio tesão
Do ser
...

musa

2 comentários:

Anónimo disse...

Perpétuo movimento circular
No pequeno botão que desponta
Na inquieta ferida secular
Que toda a lógica desmonta

Perpétuo movimento pendular
Que o teu olhar incentiva
O gemer a escorrer, devagar
Gozo prolongado que me cativa

Perpetuo movimento ondulante
Nos quadris agora descontrolados
O nascer da aurora no levante
O transbordar dos desejos molhados

Perpetuo movimento universal
Dos corpos satisfeitos e suados
Não pode, o que sabe bem, fazer mal
E que nos deixa os corpos saciados


Pedro

MUSA RENASCENTISTA disse...

“Em círculos de fogo e saliva
Circula perpétuo movimento
Quente húmida furtiva
A língua em seu contentamento

Os dedos derramando prazer
Em perpétuo movimento oscilante
Tanto que me fazem gemer
Gozo da tua mão louca amante

No ventre suado vibra a pele
Humedecida dos teus loucos beijos
Entre as pernas escorre doce mel
Em perpétuo movimento dos desejos

Quem dera dessa perpétua loucura
Fossemos pêndulo e hora intemporal
Movimento em delirante tortura
Que só pode fazer bem e nunca mal
...
musa”