GRÃO DE MALÍCIA

A minha foto
Miramar, Norte, Portugal
GRÃO DE MALÍCIA … poemas escritos de desejos e divagações... onde está a poetisa... que vai escrever os poemas memórias de sentidos tidos… onde está a poetisa...que escreve poemas, nua ao pé da cama, que os interrompe para beber inspiração? … sou apenas quem está mesmo por detrás de ti... com a boca colada ao teu ouvido, segredando-te pequenas coisas que tu sentes...de olhos fechados. ana barbara sanantonio

quinta-feira, 24 de março de 2011

ALGEMAS DE FITAS

Ainda guardo as fitas da minha prisão
Ainda me vejo atada à cabeceira
Ardendo de vontade e tesão
Deitada dessa maneira
O corpo em alta tensão
A querer brincadeira
Sobre o macio colchão
Da cama de madeira
No motel sedução

Sobre o leito algemada
Na boca o sim e o não

Sob tortura confessada

O corpo em trémulo desejo
Incendiado no teu beijo
A pele provocada
Em desordeira
Caminhada
Chamas da fogueira
Incendiada


Pele com pele
Em fitas algemas
A língua doce mel
Faz com que gemas
De louco prazer
Podendo acontecer
Uma explosão


A qualquer momento
Verte-se rio de tesão
Por fora e por dentro


E tu rendido ao meu cativeiro
Presa no teu feitiço voraz
Fazes de mim rio inteiro
A verter na tua mão
Carinhosa e capaz
De alucinar emoção
Poro a poro suavidade
E mesmo presa
Gozo a liberdade
Dessa cratera tesa


Morrendo de vontade
Sentir a penetração
Pedir a tua mão
Teu falo endoidecido
E prender-te ao sentido
Os dois entrar em convulsão
Prendidos em sedução
Rendidos de paixão
Por uma brincadeira
Nesse motel prisão
Que faz de mim feiticeira


Entregues ao amor
Sem qualquer pudor
Na cama desordeira
Atada de fitas rosa flor
Por ti meu açoitador
Em dócil condenação
E eu… a tua fogueira
Onde ardes em tesão
Abrasador
musa

2 comentários:

Valter Montani disse...

Muito bom! não dá nem para respirar, sedução do começo ao fim, parabéns!

grato pela amizade e carinho, tenha um bom fim de semana, bjs

A feiticeira da noite sopra estrelas no céu
a lua torna-se mais cheia e resplandecente
a noiva da colina asperge um suave perfume
espalhando no ar o seu chamado envolvente.

Trata-se de um convite ao amor e a amizade,
vai ecoando pelos quatro cantos da cidade
rua do porto, engenho central, repúblicas....
nada passa despercebido ao clamor lançado.

MUSA RENASCENTISTA disse...

Grata Valter... eu também sou fã da tua poesia... gosto do que escreves... fazendo me sentir essa feitiçeira dos sentidos...

Beijo doce

Babi